DR. RESPONDE: IMPLANTE DENTÁRIO

” Dr. Liogi,  uma das maravilhosas alternativas oferecidas pela Odontologia são os implantes dentários.  Pelo que pesquisei, existem situações que antes da realização desse procedimento a pessoa precisa fazer um  enxerto ósseo. Gostaria que o senhor me explicasse como funciona e quais os casos em que exigem a enxertia. “

LEILA SANTOS  – EMPRESÁRIA

Olá Leila, tudo bem?

A condição básica para a instalação dos implantes dentários é ter osso. Infelizmente, na maioria das vezes, quando se perde um dente, o osso alveolar, que sustenta os dentes, reabsorve, definindo assim,  a necessidade de enxertos.

Atualmente, não se instala implantes onde se tem osso, e sim na melhor posição em que ele deve estar para que o paciente possa ter de volta a estética e função adequadas. Existem situações variadas para a realização de enxertos ósseos. Em algumas, podemos colocar os implantes juntamente com os enxertos para repor o osso perdido. Em outras, necessitamos realizar os enxertos primeiro, para num segundo momento cirúrgico, instalar os implantes.

A melhor opção, ainda hoje, para os enxertos, é a utilização de osso do próprio paciente, chamado de osso autógeno. Trata-se de um osso “vivo” que garante uma cicatrização mais rápida sem riscos de rejeição, mas que exige um outro procedimento cirúrgico para removê-lo, causando um trauma cirúrgico maior. Podemos utilizar osso dos próprios maxilares ou de outras áreas doadoras como calota craniana e osso ilíaco (quadril).

Hoje, a preferência dos pacientes tem sido a utilização de substitutos ósseos como alternativa do osso autógeno. Isto ocorre, principalmente, por se tratar de um procedimento menos agressivo por não ter que remover osso de outra área. Os materiais mais utilizados são os enxertos ósseos xenógenos ou heterógenos, que são oriundos de animais de outras espécies (bovino e equino principalmente) que recebem tratamento para não causarem doenças nem rejeição.

O inconveniente destas técnicas é que, normalmente, necessitam um tempo maior de espera para a realização dos implantes no local enxertado. Em algumas situações, estes enxertos podem até serem superiores ao osso autógeno. Cabe ao profissional responsável, baseado nas características de cada paciente, definir qual a melhor técnica empregar, assim como qual o material de enxerto mais indicado para aquele paciente em específico.

Liogi Iwaki Filho
Cirurgião Bucomaxilofacial e Traumatologista
CRO – PR 7389

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pin It on Pinterest